Aplicação das energias dentro dos nossos cultos afro-brasileiros
 PROGRAMA NOS CAMINHOS DE NZAMBI
 NOS CAMINHOS DE NZAMBI
 Estudo Histórico-Científico das Religiões Afro-Brasileiras
 Aplicação das energias dentro dos nossos cultos afro-brasileiros
  Registrar   Ajuda   Login

Tópico AnteriorTópico Anterior - Próximo TópicoPróximo Tópico
Tópico com 349 visitas e 4 mensagens
Autor
Tópico: Aplicação das energias dentro dos nossos cultos afro-brasileiros
Tata Toindé
Membro Pleno

Postagens: 239
Registro: 20/03/2005
Local: RIO DE JANEIRO - RJ - Brasil
Idade: 39 anosSexo Masculino
 Postado em 21/07/2005 12:47:00 PM

Manos ...
como disse anteriormente, este estudo faz parte de um trabalho que tenho elaborado, Portanto, muitas das coisas que lerem aqui representam a forma pelo qual entendi o culto e os fenômenos, logo, isso dá a todos o direito de concordar ou discordar.
Fiquem à vontade em suas avaliações.

Aplicação do conceito de energia dentro dos cultos afro-brasileiros

Tomando como base o que foi a citado no tópico anterior, vamos correlacionar este conceito de energia ao que é praticado dentro dos cultos afro-brasileiros.
Independente da divergência étnica do culto (nações), o conceito de energia é o conceito primordial da prática de seus fundamentos.
Segundo a tradição Yorubá, o princípio vital de tudo que existe é chamado de Ase (axé).
O ase é o nome dado à energia que foi citada anteriormente. È a força que impulsiona o existir.
O ase é transmissível. É conduzido por meios materiais e simbólicos. Pode ser transmitido a objetos e a seres humanos. Desta forma, esta força (ase) não aparece espontaneamente. Ela precisa de um transmissor e de um receptor para se fazer existente.
No que concerne à nação Banto, cujo culto ficou conhecido como candomblé de Angola-Congo, este mesmo ase (energia) é conhecido pelo nome de Hamba.
No que diz respeito à ciência, apenas as energias de natureza física são cientificamente reconhecidas. Mas Assim como o asé (hamba), muitas outras energias não físicas foram detectadas.
Vamos conhecer um pouco da diferença entre elas:

Energias Físicas


A física comprova que tudo que exerce um certo tipo de alteração produz transferência de energia e o que se mantém inerte, tem energia guardada em si. Logo estamos sob a ação de energias físicas a todo tempo tais como:
Energia sonora - Se propaga quando emitimos som
Energia térmica - Se propaga quando provocamos uma variação na energia de um corpo
Energia cinética - Se propaga quando damos movimento a um corpo.
Energia eletromagnética - Se propagam sem a presença de meio material.


Energia não-físicas


Estudiosos do ramo já chegaram a conclusões que provam a existência de energias que não foram ainda qualificadas como físicas, por não se encontrar uma forma (matemática) de quantitatizar estas energias. Passaremos por algumas delas:

Energia Cromoterápica - Já foi provado por diversos estudiosos que as cores têm uma grande influencia no meio em que se considera como afetado. Ou seja, as cores transmitem energia.

Energia intencional - Se somos frutos e pequenas parcelas do Criador (totalidade energética), então somos dotados de energia. Logo, tudo que vem de nós, também vem carregado desta mesma energia que varia de acordo com a forma pelo qual a que emitimos. Assim, temos como energias de influencia primordial o pensamento, a vontade e a intenção.

Juntando as energias físicas com as não-físicas criamos uma complexidade de alterações.
Exemplo: Ao se falar algo para alguém, estamos lhe enviando um certo tipo de energia física (energia sonora) que será recebida pelo seu receptor físico (sistema auditivo), mas, além disso, estamos também enviando uma certa energia não física (intenção) que será recebida por seu receptor não físico (campo energético) e esta junção de energia enviada trará alterações no receptor da mesma.

O culto afro-brasileiro (também conhecido como Candomblé) é todo baseado nesta filosofia: ENERGIA.
Todo tipo de manifestação é dado através do que se entende, e que se pode trabalhar em nível de energia.
Candomblé não se faz sozinho. É necessário, pelo menos, duas pessoas para que a energia (ou ase, ou hamba) possa ser trocada. E é claro, trocada também com a natureza em si.
Todo o ritual é baseado neste conceito.
O xirê (ou jamberessu para os bantos) é o momento em que a energia está em seu maior grau de heterogeneidade. Todo o complexo energético se apresenta ali.
Quando os atabaques são tocados, os Ogans (ou Tata kambandu), imprime movimento (energia cinética) aos couros e estes empurram o ar para fora gerando o som (energia sonora).
Este som se une às cantigas entoadas (energia sonora + energia intencional) que provocam um aumento total na energia ambiente. Os integrantes da roda estarão dançando (energia cinética) o que fará com que seu corpo (agora dotado de movimento) esteja mais apto à recepção desta energia, e desta forma, mais apto à transmissão da mesma.
Cantando e dançando estarão mais relaxados e inseridos dentro da energia total que é gerada durante a cerimônia.
Quando todas estas (e outras) energias estiverem atingido um grau favorável de sutilidade e transcendência, o ambiente estará pronto para receber uma energia mais sutil ainda: O Orixá (ou Nkise). Da mesma forma que se esta energia total do local estiver adquirido um grau desfavorável, o ambiente estará propício à entrada de outras energias indesejadas, pois a atração é dada pela afinidade energética. Daí a importância de cada um no culto. Se em 100 pessoas, uma não estiver de boa vontade, ela terá sua contribuição desfavorável na totalização energética.
Assim, concluímos que o Orixá (ou Nkise) é um pouco de cada um que o invoca. E é através deste processo que se dá a invocação. Quando invocamos os Orixás, estamos invocando parte da energia total, que por ter afinidade conosco, nos aproxima no intuito de provocar o equilíbrio e a paz interior.
Toda esta transformação é complexa e só se obtém com o tempo. Cada um é que faz a qualidade de apresentação de seu Nkise. Este só lhe exige dedicação. Se por acaso há o desequilíbrio, então é porque se precisa “limpar” (energeticamente) o corpo para que o contato e a aproximação sejam mais sutis.
Como numa amizade que só se faz totalmente concreta com o tempo, o contato com o Nkise depende da presença e dedicação do iniciado.
O objetivo do Candomblé é trabalhar no iniciado a organização destas energias através de seus rituais.
Daí que, equilibrado energeticamente, o iniciado terá equilíbrio para enfrentar os problemas cotidianos com mais facilidade. Esta é a relação. Religião nenhuma dá ascensão material a quem a segue. Esta última é só conseqüência.
Um templo, para ser e preencher suas funções deve receber o ase (energia a qual falamos anteriormente). O ase é plantado e em seguida transmitido a todos os elementos que integram o templo.
Num barracão (ou inzo), todos os seus conteúdos materiais e seus iniciados, recebem parte desta energia (ase) e aprendem (com o tempo) a acumulá-la, mantê-la e desenvolvê-la.
Sendo o Ase princípio e força, é neutro. Pode transmitir-se e aplicar-se a diversas finalidades ou realizações. É aí que entra a parte da Energia intencional. Não basta saber trabalhar com as energias, a intenção tem uma presença definitiva.
Os elementos contidos de ase são combinados formando variações dos tipos de forças e do próprio ase. Tudo tem ase. Uns em maior quantidade e qualidade e outros em menor.
Cada elemento que contém o ase é portador de um

IP LogadoPróxima Mensagem
Tata Toindé
Membro Pleno

Postagens: 239
Registro: 20/03/2005
Local: RIO DE JANEIRO - RJ - Brasil
Idade: 39 anosSexo Masculino
 Postado em 18/08/2005 10:43:00 AM

Caros manos.....

Fico no aguardo dos comentários acerca do exposto...

Gostaria de saber se os manos concordam ou não .....

Jindandu

IP LogadoMensagem AnteriorPróxima Mensagem
Kalunga
Membro Junior

Postagens: 56
Registro: 02/08/2005
Local: Santos - SP - Brasil
Idade: 51 anosSexo Feminino
 Postado em 18/10/2005 10:07:00 PM

Mimenekenu kiami jipange

Acho o assunto exposto muito complexo, mas para mim, o convívio familiar e espiritual gera uma forma de energia complementar, a cada novo integrante, em ambos os casos, a energia é acrescentada e o equilíbrio é reestruturado, ou seja, quando chegamos ao mundo trazemos nosso próprio princípio energético, nada é implantando e sim aflorado, e de acordo com cada momento, a própria natureza se encarrega de equilibrá-lo, incluindo-se a falta de qualquer um dos membros.

Gostaria de fazer uma observação, quanto ao final do texto exposto para o debate, creio também que faltou algo no final, mas ... eu não utilizo o termo cobrança, para assuntos da minha religião, prefiro o termo necessidade.

Esse é o resumo da minha visão sobre a transcendência de energia.

Aguardamos os demais jipange, com as suas opiniões e conceitos.
jindandu

IP LogadoMensagem AnteriorPróxima Mensagem
Tata Toindé
Membro Pleno

Postagens: 239
Registro: 20/03/2005
Local: RIO DE JANEIRO - RJ - Brasil
Idade: 39 anosSexo Masculino
 Postado em 22/02/2006 8:52:00 AM

ATUALIZANDO


IP LogadoMensagem Anterior
 Todos os horários são de Brasília (GMT -03:00)
 Nova Mensagem desde a sua Última Visita.
[***] Palavra proibida pelo moderador do Grupo de Discussão

Tópico AnteriorTópico Anterior - Próximo TópicoPróximo Tópico

Volta para o Topo da Página



Forum Now! - Criar seu forum grátis