Plágio em O CÓDIGO DA VINCI - julgamento continua
 THORNS
 Fórum de Discussão do THORNS
 Fórum de Discussão THORNS
 Plágio em O CÓDIGO DA VINCI - julgamento continua
  Registrar   Ajuda   Login

Tópico AnteriorTópico Anterior - Próximo TópicoPróximo Tópico
Tópico com 844 visitas e 5 mensagens
Autor
Tópico: Plágio em O CÓDIGO DA VINCI - julgamento continua
Dark Poet
Membro Master

Postagens: 1319
Registro: 14/11/2003
Local: São José dos Campos - SP - BrasilSexo Masculino
 Postado em 12/03/2006 11:22:00 AM



Continua julgamento de plágio contra O Código Da Vinci

Michael Baigent voltou a depor ontem no processo que pode impedir a estréia de O Código Da Vinci nos cinemas. Baigent e seu colega, Richard Leigh, alegam que Dan Brown apropriou o tema central de seu livro O Santo Graal e a Linhagem Sagrada, lançado em 1982, para compor O Código Da Vinci, o que configuraria quebra de direito autoral. Em defesa de seu best seller, a editora Random House, responsável pelos dois livros, alega que as idéias demonstradas no livro de Baigent e Leigh sobre a vida e o legado de Jesus Cristo são generalizadas, portanto, não protegidas por direito autoral.

O julgamento estava suspenso há uma semana para permitir ao juiz a leitura dos dois livros e de outros materiais relacionados. A audiência de retorno foi marcada pela comparação linha por linha entre os dois títulos, e concentrou-se no exame do que seriam as 15 similaridades existentes entre os dois livros, entre elas, a de que os reis da França seriam descendentes de Jesus.

A situação de Baigent tornou-se precária ao admitir que parte das oitenta páginas da acusação que deu origem ao processo foi exagerada. Durante seu depoimento, o advogado da editora, James Baldwin, mostrou que vários pontos do livro da dupla não aparecem em O Código Da Vinci. Pressionado, Baigent disse que não poderia afirmar que os dois textos compartilham todos os 15 pontos sem sombra de dúvida. Uma das idéias descritas no livro de Baigent e Leigh é a de que Cristo teria forjado sua crucificação e fugido para a França. Outra idéia defendida pelos autores diz que o objetivo final do Priorado do Sião seria restaurar a linhagem Merovíngia nos tronos da Europa, o que, segundo o advogado da Random House, não faz parte do enredo de O Código Da Vinci. Baigent tentou defender seu ponto dizendo que os interesses políticos do Priorado estão implícitos no livro de Dan Brown. O juiz, entretanto, concordou com a defesa da editora dizendo que, em sua leitura, não captou intenção política do Priorado em O Código Da Vinci. Questionado sobre a falta de cenas de perseguição similares às existentes no livro que acusa de plágio, Baigent defendeu-se dizendo que ele e seu colega escreveram uma conjetura histórica, enquanto Brown lançou um livro de ficção. Em sua opinião, há diferenças de perspectiva, mas, as similaridades são bastante específicas.

Dan Brown deve testemunhar ainda esta semana. Os advogados da Random House iniciaram sua defesa declarando que Brown escreveu a sinopse de O Código Da Vinci antes dele ou sua esposa, que o auxiliou na pesquisa, terem tido qualquer contato com o livro de Baigent e Leigh. O nome dos autores, no entanto, foi incluído em O Código Da Vinci como um anagrama no nome do personagem Leigh Teabing. O personagem, que no cinema será interpretado por Ian McKellen, cita especificamente O Santo Graal e a Linhagem Sagrada quando fala de suas pesquisas.

Esta é a segunda vez que O Código Da Vinci leva Brown aos tribunais. Em agosto de 2005 o autor do livro venceu um processo iniciado por Lewis Perdue, que o acusava de plagiar dois de seus livros.



IP LogadoPróxima Mensagem
Vampiro Raziel
Membro Pleno

Postagens: 149
Registro: 30/10/2004
Local: São Paulo - SP - Brasil
Idade: 48 anosSexo não informado
 Postado em 15/03/2006 10:22:00 AM

Mas estes fatos todos ja nao estavam por aí? entao nao foi plagio

IP LogadoMensagem AnteriorPróxima Mensagem
Dark Poet
Membro Master

Postagens: 1319
Registro: 14/11/2003
Local: São José dos Campos - SP - BrasilSexo Masculino
 Postado em 15/03/2006 4:55:00 PM

Concordo contigo, Razi. Mas eu não chamaria de "fatos" e sim de linhas de pensamento. Fato é o que pode ser provado de forma indiscutível. A teoria da Linhagem Sagrada de Cristo é como a Bíblia dos cristãos... uma teoria apenas.
Abraços!
DAL

IP LogadoMensagem AnteriorPróxima Mensagem
Vampiro Raziel
Membro Pleno

Postagens: 149
Registro: 30/10/2004
Local: São Paulo - SP - Brasil
Idade: 48 anosSexo não informado
 Postado em 27/03/2006 3:58:00 AM

Sim DAL, concordo, mas oq esta me parecendo neste caso, é que:

-Sera que se o livro nao tivesse rendido tanto dinheiro, ele ainda sereia acusado de plagio?

Alias, fui assitir Anjos da noite e ja vi o carttaz do filme la, podemos marcar com o pessoal interessado heim

IP LogadoMensagem AnteriorPróxima Mensagem
Dark Poet
Membro Master

Postagens: 1319
Registro: 14/11/2003
Local: São José dos Campos - SP - BrasilSexo Masculino
 Postado em 27/03/2006 6:08:00 PM

Mensagem original postada por Vampiro Raziel Sim DAL, concordo, mas oq esta me parecendo neste caso, é que:

-Sera que se o livro nao tivesse rendido tanto dinheiro, ele ainda sereia acusado de plagio?

Alias, fui assitir Anjos da noite e ja vi o carttaz do filme la, podemos marcar com o pessoal interessado heim


UNDERWORLD - EVOLUTION... Kate "Deusa" Backinsale com roupa de couro coladinha... ai ai, minha pressão alta!
Falando sério, não tenho dúvida nenhuma que se O Código Da Vinci tivesse sido um fracasso de vendas (como foi Anjos e Demônios na época do lançamento, por exemplo), Dan Brown nunca teria sido vítima desse processo sem noção, que claramente só visa angariar uns trocados. Tomara que Brown vença e possa dar risada da cara dos safados.
E que venha o próximo livro, sobre a MAÇONARIA! Que deverá reder mais processos...


IP LogadoMensagem Anterior
 Todos os horários são de Brasília (GMT -03:00)
 Nova Mensagem desde a sua Última Visita.
[***] Palavra proibida pelo moderador do Grupo de Discussão

Tópico AnteriorTópico Anterior - Próximo TópicoPróximo Tópico

Volta para o Topo da Página



Forum Now! - Criar seu forum grátis